Como a tecnologia de casa inteligente pode ajudar na autonomia dos idosos

Fonte: https://charlatan.ca/

Observação:
Este texto, publicado em portal canadense em julho de 2022, foi compartilhado com o Lar Inteligente através do portal Casa Inclusiva

Todo fim de semana, Éliane Laberge faz a viagem de 10 minutos até a casa de sua mãe no bairro Hull de Gatineau.Juntas, iriam fazer compras de mantimentos ou pegar medicamentos na farmácia.

Laberge, 36, começou a cuidar de sua mãe, Martine Savard, de 74 anos, há cerca de cinco anos. Suas responsabilidades de cuidado vão desde gerenciar as consultas médicas de sua mãe até apoiá-la financeiramente.

Savard experimentou dificuldade de concentração, falta de julgamento e perda de memória. Embora ela não tenha sido formalmente diagnosticada com nenhuma condição, Laberge disse que sua mãe tem um histórico familiar de doenças mentais, como esquizofrenia e transtorno bipolar.

No início da pandemia de COVID-19, Laberge disse que sua mãe caiu e acabou no hospital.

“Foi um grande susto”, disse Laberge.

Como resultado, Laberge está concentrando sua atenção na contratação de um cuidador profissional para prestar assistência médica e auxiliar sua mãe nas atividades diárias, como cozinhar e limpar.

Sua mãe expressou o desejo de permanecer em sua casa o maior tempo possível. “Eu não quero ir morar na casa de uma pessoa mais velha”, Laberge lembrou que sua mãe disse.

Como Savard, mais de 90% dos idosos de Ontário querem envelhecer no local, de acordo com um novo estudo encomendado pela Home Care Ontario. O envelhecimento no local refere-se a quando o apoio é levado aos idosos em suas casas, em vez de realocá-los para um novo local, como um hospital ou lar de idosos.

Frank Knoefel, médico do Programa de Memória Bruyère de Ottawa e investigador sênior do Instituto de Pesquisa Bruyère, disse que os desafios de saúde associados ao envelhecimento, como perda de memória, exigem melhores serviços de atendimento domiciliar para idosos.

Uma equipe de pesquisadores, incluindo Knoefel, está desenvolvendo sistemas domésticos inteligentes para ajudar os idosos a envelhecer no local. A pesquisa faz parte do Sensors and Analytics for Monitoring Mobility and Memory, uma colaboração entre a Carleton University, o Bruyère Research Institute e a Rede de Centros de Excelência AGE-WELL. Bruyère e AGE-WELL são duas organizações dedicadas a ajudar os idosos a manter um estilo de vida saudável e independente.

Enquanto membros da família como Laberge cuidam de seus entes queridos, essa responsabilidade pode ser um desafio para equilibrar com o gerenciamento de suas próprias vidas. Idosos que querem envelhecer em casa, em vez de cuidados de longo prazo, exigem outras soluções além do cuidado familiar, disse Knoefel.

“Algumas tecnologias podem ser os olhos e ouvidos do membro da família ou do provedor de cuidados domiciliares”, disse ele.

Por dentro da tecnologia

Bruce Wallace é um dos principais pesquisadores e diretor executivo do SAM3 AGE-WELL National Innovation Hub em Carleton.

Wallace transformou sua casa em um laboratório de testes para sua pesquisa. No início da pandemia, ele transferiu mais de 100 sensores de seus laboratórios em Carleton e Bruyère para sua casa.

Debaixo de seu colchão há um bloco eletrônico conectado a um computador que rastreia quando alguém sai da cama. Sensores no corredor monitoram para onde eles estão indo.

Para idosos que vivem com demência, os sensores podem alertar seus cuidadores se eles saírem, disse Wallace.

Ele também está desenvolvendo uma voz pré-gravada em um alto-falante doméstico que permite que idosos perdidos pela casa saibam onde estão. O parceiro de cuidados do idoso, como um amigo ou membro da família, gravaria a mensagem para que o idoso pudesse ser guiado por uma voz familiar falando em seu primeiro idioma, disse Wallace.

"Algo como 'Querida, é meio da noite, por favor, volte para a cama'", disse ele.

Wallace acrescentou que o sistema doméstico pode ajudar os cuidadores a descansarem à noite sem se preocupar que seus idosos possam vagar e potencialmente se machucar.

“A pessoa que vive com demência tem um pouco mais de independência à noite com uma rede de segurança ao seu redor e seu parceiro de cuidados fica dormindo”, disse ele.

Knoefel disse que os dados dos sensores podem ajudar os profissionais de saúde a analisar o comportamento de um idoso para melhorar o tratamento.

"Quando meus pacientes chegam à clínica e eu digo: 'Você teve uma queda esta semana?' Eles podem não se lembrar, ou podem não querer me dizer a verdade", disse ele. “Se eu tiver dados – as atividades em casa – vou cuidar melhor.”

Os colchões sensíveis à pressão detectam como uma pessoa se levanta da cama, o que pode indicar problemas de mobilidade, disse Knoefel. Esses desafios podem variar de idosos incapazes de andar sozinhos a ter dificuldade em manter o equilíbrio em pé.

“Eles estão se levantando em linha reta? Ou estão torcendo? Se a maneira como a pessoa está saindo da cama está mudando, isso pode ser um aviso antecipado de que sua mobilidade está piorando”, disse ele.

Os médicos podem usar essas informações para intervir rapidamente e encontrar soluções que impeçam que os idosos caiam, acrescentou Knoefel.

Benefícios de usar a tecnologia

Laberge disse que gostaria de ter acesso a esse tipo de tecnologia para sua mãe.

“Me tranquilizaria saber que existem sensores… que podem me notificar”, disse ela. “Eu me sentiria muito mais segura e calma por ela poder continuar morando em seu espaço por muitos mais anos.”

Além disso, a tecnologia doméstica inovadora pode ajudar a remover barreiras para idosos com deficiência, disse Peggy Edwards, co-presidente do Comitê de Habitação Amiga do Idoso do Conselho de Envelhecimento de Ottawa.

Aqueles com deficiências cognitivas ou desafios de mobilidade podem usar sistemas de tecnologia inteligente para controlar a iluminação em suas casas, fazer chamadas telefônicas ou lembrá-los de tomar seus medicamentos, disse ela.

Edwards, que tem 75 anos, disse que conta com o assistente de voz de seu telefone para se manter informada e conectada socialmente.

“A Siri toca a música que eu quero. Ela me diz o tempo. Ela me ajuda no FaceTime com meus netos”, disse ela.

Outro desafio que os adultos mais velhos enfrentam é encontrar casas amigas dos idosos, disse Edwards. O Conselho do Envelhecimento tem pressionado o governo provincial para criar moradias acessíveis para idosos, bem como financiar projetos de co-habitação, disse ela.

“[Adultos mais velhos] não querem necessariamente ficar na mesma casa porque pode ser muito grande para eles agora. Então, eles gostariam de se mudar para um apartamento ou um lugar menor”, ​​disse Edwards.

“E o problema é que simplesmente não há moradias disponíveis que sejam acessíveis.”

Alfabetização digital para idosos

Para resolver a lacuna tecnológica entre as gerações, Edwards disse que o desenvolvimento de programas para ajudar os idosos a operar esses sistemas de alta tecnologia pode ser útil.

ABC Life Literacy Canada é uma organização sem fins lucrativos que fornece recursos gratuitos para adultos que desejam melhorar suas habilidades de alfabetização digital.

Emily Sitter é recreacionista terapêutica no Baycrest Centre, especializado em cuidados para idosos, incluindo vida independente e cuidados de longo prazo. Sitter trabalha em estreita colaboração com nutricionistas e assistentes sociais para adaptar programas que atendam aos interesses e necessidades dos residentes.

Ela disse que é importante ouvir os idosos ao desenvolver sistemas destinados a ajudá-los.

“Você aprende melhor perguntando aos moradores o que eles estão procurando”, disse ela. “Ser capaz de validar seus sentimentos é enorme.”

Observar como suas habilidades mudaram também pode ajudar os idosos a assumirem novas responsabilidades e a se adaptarem às mudanças associadas ao envelhecimento. Alguém que não pode mais cozinhar suas próprias refeições pode ser encorajado a colocar a mesa, disse Sitter.

À medida que avançam em seus respectivos projetos de pesquisa, Knoefel e Wallace esperam colocar essa tecnologia no mercado o mais rápido possível.

Para Laberge, isso não deveria demorar para acontecer. Ela disse que essas ferramentas de alta tecnologia podem ajudar a aliviar o estresse que vem com o cuidado.

Tendo procurado grupos de apoio para cuidadores, ela acrescentou que estabelecer limites melhorou sua saúde e seu relacionamento com a mãe. Ela espera que essa nova tecnologia a ajude a fazer isso.

“Como acompanhante, não posso carregar minha mãe nas costas”, disse Laberge. “Eu tenho que segurar a mão dela e andar com ela lado a lado.”

Eletrolar Show começou hoje com espaço exclusivo para casa inteligente


A Eletrolar Show, feira de produtos eletroeletrônicos, começou nesta segunda-feira, 11 de julho, em São Paulo, com uma novidade: um espaço de cerca de 300 m², que vai exibir dispositivos para casa inteligente de uma série de empresas. A feira vai até a próxima quinta-feira, 14 de julho.

Quem for ao evento verá no “Espaço Casa Conectada” verá produtos de marca como Amazon/Alexa, Positivo Casa Inteligente, LG e TCL. O público verá nos stands itens como smart speakers, smart displays, smart TV, lâmpadas inteligentes, assistentes de voz, entre outros.

Leia esse artigo completo

Smart devices estão cada vez mais na vida dos adultos nos EUA

 
TVs, lâmpadas, câmeras de vídeo, consoles de jogos, fechaduras e outros dispositivos inteligentes que não são smart speakers estão presentes cada vez mais no dia a dia de 52% dos adultos dos Estados Unidos.

A informação está no “The 2022 U.S. Smart Home Consumer Adoption Report“, que mostra que no final de 2020 esse número era de 48,5%. A base passou de 124 milhões para quase 135 milhões de pessoas.

O relatório aponta a pandemia do coronavírus como o principal fator para o crescimento do número de usuários adultos de dispositivos para casa inteligente.

Leia esse artigo completo

Pesquisa mostra que o desejo por casas inteligentes está em alta no país

Os anseios por residências automatizadas e mais práticas estão cada vez mais fortes. E o que antes parte apenas de filmes e desenhos animados, hoje é prioridade na lista de desejos do brasileiro. 

Em março de 2022, a Datafolha divulgou o censo de moradia QuintoAndar, pesquisa realizada em parceria com a empresa de compra e aluguel de imóveis. O estudo, que tem como objetivo traçar uma panorama nacional, descobriu que o desejo por soluções tecnológicas conectadas à sustentabilidade, conforto e segurança está em alta no Brasil. 

Mas, o que significa uma casa inteligente?

Em primeiro lugar, o conceito não está ligado apenas a casas administradas por robôs onde tarefas cotidianas deixaram de existir. Basicamente, pode-se dizer que sim, uma casa inteligente é um imóvel que reúne inúmeros dispositivos conectados à internet. Geladeira, televisão, lâmpadas etc. Os aparelhos, aos poucos, passam a dialogar entre si e essa integração traz praticidade e segurança aos moradores.

Leia esse artigo completo

Com dados de moradores, cidade inteligente toma forma na Coreia do Sul


As luzes se acendem e uma voz calma avisa que é hora de acordar e esticar o corpo. Não, não é nenhum colega de quarto, e sim o sistema inteligente da casa. Ele acompanhou como foram as horas de sono do morador e viu que o dia terá muito sol, então logo recomenda um café da manhã com suco de laranja e uma opção de roupas frescas.

Qualquer informação pode ser encontrado dentro do espelho do lar; toda tecnologia, monitorada por um tablet da Samsung e, o morador, acompanhado por um smartwatch conectado às duas tecnologias. É essa a realidade que a Eco Delta Smart City está criando em Busan, na Coreia do Sul.

Para construir uma cidade inteligente do zero, 54 famílias diferentes consentiram oferecer todos os seus dados, desde frequência cardíaca até volume de lixo produzido, dentro de uma casa inteligente onde vão morar pelos próximos três anos.

Leia esse artigo completo

Postagens mais visitadas